Puta ideia - Limão.txt

Da ideia puta a puta ideia

Criar é criar. Não dá pra entender. Não se pode descrever. Criar é chuva, é ideias,  tempestade de motivações, é brainstorm de possibilidades. O que eu sou? Criativo? Não, sou criador.

Criador de possibilidades. Eu vendo identidades, faço gatos fofinhos, crianças superdotadas e coisas idiotas virarem vídeo, viral (ou não). Faço das aspirações humanas, imagens foscas, chapadas, brilhantes, sem graça, com graça, criativas e comuns. Eu faço do mundo uma folha A3, A4, outdoor, newsletter.

Eu faço da frustração, aspiração. Eu torno dificuldades em superação. Eu faço spot, eu vivo de mote, eu respiro shutterstock. Eu falo inglês obrigado e desobrigado.

Eu escuto rádio, mas não ouço voz do Brasil. Aspiro Apple, tô nem ai pra licença da Adobe, odeio retrabalho e tenho ciúmes dos meus textos.

Eu adoro prêmio, vicia essa P#3*. E “aquelas caras” super FU*¨#@, fazem coisas que nem eu acredito. Ou desejo acreditar.

Eu gosto de gente, brainstorm vivo é minha família. Eu tenho ideias tomando banho, eu tenho ideias cagando, eu tenho ideias bebendo. Eu adoro coisa ganhada, coleciono vários brindes inúteis que fazem referência a alguma marca que eu acho foda.

Adoro falar Case, streaming, agência, final de semana, briefing, facebook, férias, digital e comida rápida.

Polêmica pra mim é mamilos, aborto, sexo, cerveja, carro, cannes, oscar e agência. Desejo de vida é Londres, São Paulo, EUA e minha cama.

Dieta pra mim é: Pizza e  coca-cola, principalmente quando ela tem meu nome. Sexappel, tesão, êxtase de criação.

Qualquer bloquinho vira desenho, qualquer papel vira texto, qualquer assunto vira redação, qualquer bobagem vira campanha.

Adoro Press KIT, mas não sou apaixonada por jornalistas, talvez pelo jornalismo.

Eu tenho que fazer milagre com a vontade alheia, a nave inteira quer chegar a Júpiter, eu já disse que só dá pra chegar a Marte. Mas eles querem chegar lá. Coloco anéis na Lua e fodas o briefing.

Eu sou aquela pessoa que largou direito, medicina, engenharia, letras e fui fazer publicidade e propaganda. E sou aquela pessoa que se achava criativa , me encontravam no quintal de casa montando cidades de barros, terra e massinha. Eu já quis ser astronauta, mas era pra dar nome as estrelas. Eu desenhava na parede de casa e fazia dos meus castigos tempo livre pra desenhar e sonhar.

Eu sou aquela pessoa que todo mundo acha que vai passar fome.

Eu vendo sonhos, prazer meu nome não é Augusto Cury. É fulano, sicrano, beltrano, codinome publicitário!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s